Brasília, Sábado, 08 de Maio de 2021

Poder e Saúde

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Comissões CIDOSO - Projeto assegura tratamento digno a idosos LGBTs em instituições de longa permanência

CIDOSO - Projeto assegura tratamento digno a idosos LGBTs em instituições de longa permanência

E-mail Imprimir PDF

Projeto assegura tratamento digno a idosos LGBTs em instituições de longa permanência.

Grupo apresenta maior proporção de casos de depressão

O Projeto de Lei 94/21 altera o Estatuto do Idoso para garantir um ambiente de respeito e tratamento isonômico a pessoas idosas que vivem em instituições de longa permanência (ILPs), independentemente de origem, raça, sexo, cor, orientação sexual ou identidade de gênero. O texto, que tramita na Câmara dos Deputados, inclui entre os princípios e objetivos do estatuto o respeito à orientação sexual e à identidade de gênero dos acolhidos.

“O objetivo é garantir que instituições de longa permanência voltadas à pessoa idosa assegurem a gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais (LGBTs) sob seus cuidados a preservação da sua orientação sexual e identidade de gênero, com o oferecimento de ambiente de respeito e dignidade”, defende o autor, deputado Alexandre Frota (PSDB-SP). “Atualmente, não há leis ou políticas públicas direcionadas à proteção e à assistência das pessoas idosas LGBTs”, acrescenta.

Ele cita pesquisa apresentada pela psiquiatra Carmita Abdo durante Congresso Brasileiro de Geriatria e Gerontologia para mostrar que a depressão atinge as pessoas idosas LGBTs em uma proporção mais elevada em comparação com pessoas idosas heterossexuais: 24% das lésbicas e 30% dos gays, contra 13,5% de heterossexuais.

"Negligência, violência psicológica, violência física e abuso financeiro são, segundo o Ministério da Justiça, os casos mais numerosos relatados ao Disque 100 e mostram-se ainda mais preocupantes entre os LGBTs, os levando a estarem mais propensos a sofrer de depressão”, conclui Frota.

Tramitação
O projeto será analisado, em caráter conclusivo, pelas comissões dos Direitos da Pessoa Idosa e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Fonte: Agência Câmara de Notícias