Brasília, Quarta-Feira, 27 de Maio de 2020

Poder e Saúde

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Página Inicial Amenidades Deputados elogiam decisão do STF de suspender leis de controle de gastos

Deputados elogiam decisão do STF de suspender leis de controle de gastos

E-mail Imprimir PDF

Deputados elogiam decisão do STF de suspender leis de controle de gastos.

Proposta apresentada na Câmara regulamenta os gastos relacionados ao combate ao coronavírus

Deputados avaliam que a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes de suspender a aplicação da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) durante o combate à pandemia de coronavírus está em linha com a necessidade do governo de tomar decisões com rapidez. Mas os parlamentares afirmam que é necessária uma ação coordenada com os estados e municípios para que esse dinheiro seja bem gasto.

Com a decisão do STF, será desnecessária a demonstração de adequação e compensação orçamentárias em relação à criação ou expansão de despesas públicas destinadas ao enfrentamento do Covid-19. Estados e municípios que também tenham decretado calamidade pública, como fez o governo federal, também terão flexibilidade nos gastos.

Para o deputado Gastão Vieira (Pros-MA), as ações do setor público precisam de coordenação centralizada:

“Estamos em uma economia de guerra, precisamos de decisões de guerra. Que sejam rápidas, eficientes e mais uma coisa: sejam centralizadas. O governo ainda não conseguiu fazer uma orientação geral. Assim permitindo que alguns estados tomem decisões que não seguem a mesma linha. Enfim, está precisando de centralização nas decisões. O governo federal precisa assumir a parte que lhe cabe na logística e na coordenação destas ações”, observou.

Orçamento próprio
Gastão Vieira apresentou um projeto de decreto legislativo (PDL 104/20) para regulamentar os gastos relacionados ao combate ao coronavírus. Ele também defende que seja feito um orçamento separado para essas despesas.

O deputado Mauro Benevides Filho (PDT-CE) acredita que a decisão do Supremo foi acertada:

“Eu pessoalmente acredito que se isso se limitar, como está descrito na decisão, exclusivamente ao período de calamidade; e a população precisa muito disso; eu não vejo razão para se deixar suspeita de uma possível não sustentabilidade fiscal do governo federal no longo prazo. Portanto, não precisa de emenda constitucional. Essa suspensão da LRF e da LDO vai dar ao governo federal uma forma de agilizar esses gastos, compensar para quem precisa e não fazer com que a economia tenha uma depressão muito profunda, que é o que todos nós desejamos”, disse.

O governo justificou o pedido de suspensão das leis de controle de gastos, afirmando que ainda não sabe quanto será gasto com ajuda aos trabalhadores informais, com o pagamento de seguro-desemprego a quem tiver contrato de trabalho suspenso, com distribuição de alimentos a idosos, entre outros programas.

O Tesouro Nacional divulgou que já espera que o setor público tenha um déficit de R$ 400 bilhões este ano por causa dos novos gastos e por conta da esperada queda de receitas de impostos.

Fonte: Agência Câmara de Notícias