Brasília, Terça-Feira, 14 de Julho de 2020

Poder e Saúde

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Página Inicial Amenidades Frente defende manutenção da imunidade fiscal de entidades filantrópicas

Frente defende manutenção da imunidade fiscal de entidades filantrópicas

E-mail Imprimir PDF

Frente defende manutenção da imunidade fiscal de entidades filantrópicas

Frente defende manutenção da imunidade fiscal de entidades filantrópicas.

Deputados e gestores de instituições filantrópicas da área de educação e saúde defenderam, em evento promovido pela Frente Parlamentar de Apoio às Santas Casas, Hospitais e Entidades Filantrópicas, a manutenção das imunidades fiscais do setor.

Estudo apresentado pelo Fórum Nacional das Instituições Filantrópicas (Fonif) indica que, para cada R$ 1,00 em subsídio concedido ao setor, R$ 7,39 são devolvidos à população na forma de serviços educacionais e de saúde.

“Não acreditamos que alguém vai tirar algo que já existe há muitos anos. Apoiamos isenções fiscais que dão retorno à população. O importante é o que chega na ponta, é o que as pessoas recebem de volta, em tratamento de saúde, bolsas de ensino e apoio a creches”, disse o deputado Antônio Brito (PSD-BA), presidente da frente parlamentar e da Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF) da Câmara. 

De acordo com o deputado, os representantes das entidades presentes ao evento vieram a Brasília conversar com os parlamentares a respeito da importância do setor e da manutenção das isenções para a população. Segundo o Fórum Nacional das Instituições Filantrópicas, o setor recebe R$ 12 bilhões em imunidade fiscal e devolve serviços no valor de R$ 88 bilhões.

“Na saúde, as filantrópicas atenderam mais de 260 milhões de pessoas. É um dos setores que mais emprega no Brasil, com mais de 2 milhões de empregos diretos. Não dá para o Estado pensar em substituir as filantrópicas de qualquer um desses setores, nem na saúde, nem na educação”, disse o presidente do FONIF, Custódio Pereira.