Brasília, Segunda-Feira, 10 de Agosto de 2020

Poder e Saúde

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Página Inicial Amenidades Congresso recebe iluminação dourada para incentivar a amamentação

Congresso recebe iluminação dourada para incentivar a amamentação

E-mail Imprimir PDF

Congresso recebe iluminação dourada para incentivar a amamentação.

O Congresso Nacional será iluminado de dourado a partir deste sábado (1º) até 31 de agosto para comemorar o Dia Mundial da Amamentação. A iniciativa é da deputada Dulce Miranda (MDB-TO). De acordo com a diretora do Departamento de Pediatria Ambulatorial da Sociedade de Pediatria do Distrito Federal, Andréa Jácomo, a escolha da cor dourada para a campanha se deu pelo fato de o leite materno ser considerado padrão ouro em termos de alimentação infantil.

Instituída em 1992, a data coincide com o início da Semana Mundial do Aleitamento Materno — entre os dias 1° e 7 de agosto — e está contemplada pela campanha Agosto Dourado, um conjunto de ações coordenadas pelo Ministério da Saúde para conscientizar sobre a necessidade da amamentação exclusiva até os 6 meses de idade.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) avaliam que o aleitamento materno exclusivo por esse período protege a criança contra desnutrição e infecções gastrointestinais. Andréa Jácomo menciona também outros benefícios, como estímulo e fortalecimento da musculatura da face, melhor respiração e alimentação no futuro, proteção contra doenças alérgicas e criação de melhor vínculo entre mãe e filho.

O leite materno é tão importante, afirma a médica, que, mesmo em tempos de contaminação por covid-19, a amamentação pode ter continuidade.

— Os estudos recomendam a manutenção da amamentação porque o benefício supera o risco. É claro que a gente tem que respeitar a condição de saúde da mulher. Se ela está muito debilitada, não vai conseguir amamentar. Mas se a condição de saúde dela permitir a recomendação é que amamente, use máscara e reforce a higiene das mãos naquele período de transmissão, que são os 14 dias — orienta a pediatra.

Senado

O Senado tem ampliado as ações para incentivar a amamentação nas famílias de quem trabalha na Casa. Chefe do Serviço de Saúde Ocupacional e Qualidade de Vida no Trabalho, Marina Vahle afirma que tão logo uma licença maternidade ou paternidade é registrada o colaborador recebe a Cartilha de Orientações Nutricionais: da Gestação à Primeira Infância. Também é oferecido apoio nutricional à família até a criança completar 3 anos de idade.

A Casa oferece também uma sala exclusiva para amamentação. Segundo Marina, é um local limpo, calmo e confortável, tanto para as mães levarem seus filhos para amamentar, como para extração e armazenamento do leite materno em horário de expediente.

— É ótimo quando a mãe consegue amamentar. Mas temos que ter em mente que as mães não podem ser discriminadas se não puderem amamentar, seja por motivos físicos ou psicológicos. As mães também sentem muitas dores, surgem fissuras nas mamas, entre outras questões.  

Fonte: Agência Senado