Brasília, Domingo, 16 de Junho de 2019

Poder e Saúde

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Comissões CPD - Audiência avalia entrega de remédio no SUS com risco compartilhado

CPD - Audiência avalia entrega de remédio no SUS com risco compartilhado

E-mail Imprimir PDF

Audiência avalia entrega de remédio no SUS com risco compartilhado.

Nessa modalidade, o governo acompanha o tratamento dos pacientes e, se a medicação não funcionar, não paga. Pacientes com atrofia muscular espinhal podem ser os primeiros beneficiados

A Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência da Câmara dos Deputados discute, nesta quarta-feira (12), portaria do Ministério da Saúde sobre a disponibilização do medicamento Spiranza, utilizado por pacientes com atrofia muscular espinhal (AME).

A atrofia muscular espinhal é uma doença genética degenerativa rara que afeta movimentos simples como sentar, andar e respirar. 

Os deputados Carmen Zanotto (Cidadania-SC) e Eduardo Barbosa (PSDB-MG), que pediram a realização da audiência, afirmam que a portaria “representa um passo para reduzir o sofrimento das famílias”. Segundo eles, antes, as pessoas só conseguiam a medicação por meio de ação judicial ou campanhas solidárias já que cada dose do medicamento custa em média R$ 364 mil. Atualmente, segundo o Ministério da Saúde, o tratamento por paciente custa R$ 1,3 milhão por ano. 

“Temos certeza que dentro do prazo de 180 dias, determinado pela portaria, a vida dos familiares e pacientes com AME tipo 1 ficará um pouco mais leve”, comemoram os parlamentares.

Compartilhamento do risco
A pedido de Zanotto e Barbosa, o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Denizar Vianna Araújo, foi convidado para falar sobre a viabilidade de incorporar o medicamento na modalidade de compartilhamento de risco, o que beneficiaria também pacientes com AME tipo 1 dependentes de ventilação mecânica e tipo 2 e 3.


Na modalidade de compartilhamento de risco o governo faz o acompanhamento dos pacientes e, caso a medicação não apresente resultado, não paga. 

Em fevereiro deste ano, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, anunciou que o Spinraza poderia ser a primeira medicação incluída no Sistema Único de Saúde (SUS) por meio da nova modalidade. 

Participação popular
A audiência será realizada a partir das 13h30, no plenário 13.

O evento será transmitido pela internet e quem quiser poderá enviar perguntas, críticas e sugestões aos debatedores. Clique no banner abaixo e participe.