Brasília, Terça-Feira, 07 de Dezembro de 2021

Poder e Saúde

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Comissões Debatedoras destacam descumprimento das leis que garantem reconstrução da mama para mulheres com câncer

Debatedoras destacam descumprimento das leis que garantem reconstrução da mama para mulheres com câncer

E-mail Imprimir PDF

Debatedoras destacam descumprimento das leis que garantem reconstrução da mama para mulheres com câncer.

Representante do governo cita portaria que reserva recursos para a área, e cobra contrapartida dos estados

Participantes de audiência pública na Câmara dos Deputados destacaram o descumprimento no Brasil das leis que garantem a reconstrução mamária em casos de câncer de mama. O assunto foi discutido nesta quinta-feira (28) na comissão especial criada para acompanhar as ações de combate ao câncer no Brasil, em conjunto com as comissões de Defesa dos Direitos da Mulher e de Seguridade Social e Família e com a Secretaria da Mulher da Câmara.

Quatro leis no Brasil tratam da reconstrução mamária. A Lei 9.797/99 garante às mulheres que sofrerem mutilação total ou parcial de mama, decorrente de tratamento de câncer, o direito à cirurgia plástica reconstrutiva no Sistema Único de Saúde (SUS). Já a Lei 10.223/01 garante o pagamento de cirurgia plástica reparadora pelos planos privados de saúde.

A Lei 12.802/13, por sua vez, determina que, quando existirem condições técnicas, a reconstrução será efetuada no mesmo tempo cirúrgico da retirada da mama. E a Lei 13.770/18, por fim, explicita que os procedimentos para obter a simetria das mamas e para a reconstrução do complexo aréolo-mamilar integram a cirurgia plástica reconstrutiva.

Divulgação das leis
A deputada Tereza Nelma (PSDB-AL), que é paciente oncológica e pediu o debate, destacou que muitas mulheres nem sabem que têm o direito à reconstrução mamária pelo SUS e há casos de mulheres que esperaram até 18 anos para conseguir fazer a cirurgia. "Eu, como paciente oncológica, sei como é duro olhar no espelho e ver sua mama sem o mamilo", disse. Como parlamentar, ela luta pela divulgação das leis. "É possível sim fazer reconstrução mamária no momento de fazer a mastectomia, e o SUS paga. Essa é a nossa realidade. Nós queremos vivê-la", ressaltou.

Chefe do Serviço de Mastologia do Hospital Conceição, no Rio Grande do Sul, José Pedrini questionou quem pagará o sofrimento da mulher que esperou 18 anos pela reconstrução. Ele destacou que a cirurgia estética imediata, inclusive com prótese, não prejudica o tratamento e defendeu que seja feita no mesmo ato cirúrgico, com uma única internação.

Pedrini ressaltou que a reconstrução da mama na hora da cirurgia de retirada do tumor leva apenas 40 minutos a mais e em 90% dos casos pode, sob o aspecto médico, ser feita simultaneamente. Na visão dele, a mulher deve poder fazer essa opção.

Daniela Catunda foi uma das pacientes oncológicas que relatou, no debate, as dificuldades encontradas: "Eu tenho um grupo chamado Escolhemos viver, em que 95% das meninas são mastectomizadas e 95% ainda não conseguiram fazer a cirurgia (de reconstrução). A fila é muito grande, a morosidade é muito grande, e a gente tem que agir com políticas públicas, para que essas mulheres tenham novamente sua autoestima", defendeu.

Financiamento
A deputada Carmen Zanotto (Cidadania-SC), que também propôs o debate, frisou que o gargalo está no financiamento. Segundo ela, a emenda constitucional do teto de gastos (EC 95) está limitando o orçamento federal da saúde, o que leva estados e municípios a ter que colocar mais recursos na área.

Carmem Zanotto observou que, nos serviços de saúde, alega-se que, com os valores pagos pelo SUS, não é possível fazer a cirurgia estética. "O que o SUS paga não paga a prótese. Se não paga a prótese como vai pagar os honorários e as despesas hospitalares? Esse tem que ser o nosso debate", disse.

Tecnologista da Coordenação-Geral de Atenção Especializada do Ministério da Saúde, Aline Leal Lopes reiterou que o SUS garante o tratamento integral da mulher com câncer de mama, inclusive a plástica das mamas.

"Em 2019, foram realizadas pelo SUS 1.456 cirurgias de reconstrução mamária. A gente teve um impacto negativo, como já é sabido por vários estudos e nossos levantamentos na realização dessas cirurgias em 2020, por conta da Covid-19. Em 2020, até agosto, a gente teve 530 realizadas no Brasil todo", informou.

Aline Lopes acrescentou que portaria do Ministério, de dezembro de 2020, disponibilizou para os estados R$ 150 milhões para custeio de ações de rastreamento, detecção precoce e controle do câncer de mama e colo do útero no SUS durante a pandemia. Mas destacou que o financiamento da saúde é tripartite, com recursos do Orçamento federal, mas é preciso ter a contrapartida estadual e municipal. Conforme ela, cada estado tem suas "questões particulares".

A mastologista e coordenadora do Programa Ame-se da Secretaria de Saúde de Alagoas, Francisca Beltrão da Matta, relatou que no estado o histórico é de se fazer no máximo cinco reconstruções mamárias por ano. Para tentar reverter essa realidade, o programa foi criado há um ano, com o apoio de emendas parlamentares da deputada Tereza Nelma, e 15 mulheres já tiveram o processo iniciado para reconstrução das mamas.

O debate integrou a programação do Outubro Rosa, promovida pela Secretaria da Mulher da Câmara.

Fonte: Agência Câmara de Notícias